Chukwuemeka Ezike envia milhares de dólares de bitcoin por mês para negociar com empresas exportadoras chinesas.

Em troca, ele recebe peças automotivas de reposição, equipamentos de construção e sucos para um negócio familiar que seu pai iniciou há mais de 30 anos. Ezike trabalha em tempo integral na empresa de criptografia baseada em Singapura, trocando Huobi como seu gerente comunitário, mas ajuda com os negócios de sua família ao lado.

Ele diz que o Bitcoin Loophole é mais rápido que a troca de moedas à moda antiga. E ele pode usá-la para saltar os limites bancários de US$ 10.000 por dia, o que muitas vezes ele precisa fazer.

Ezike não paga diretamente ao fabricante. No WeChat, ele trabalha com um intermediário chamado „Allen“ que troca o bitcoin de Ezike por renminbi, a moeda nacional da China, e depois o passa para o fabricante. Ezike não pôde divulgar com quais empresas ele lida, dizendo: „Os chineses são sensíveis com os dados que são compartilhados“.

Ele é um dos vários nigerianos que usam bitcoin para este fim. Ezike até mesmo ajuda outras empresas nigerianas a fazer transações transfronteiriças semelhantes com o bitcoin.

Usando o bitcoin para o comércio global

De várias maneiras, o bitcoin faz sentido para o comércio global. A moeda salta fronteiras com facilidade, onde outras moedas encontram atrito. Se a contraparte está disposta a receber bitcoin do outro lado, muitas vezes é mais rápido e mais barato do que os pagamentos antigos. Mas isto pode ser um grande „se“ porque a bitcoin é uma forma mais nova de transferir dinheiro e as pessoas ainda não estão exatamente acostumadas a ela.

Embora o bitcoin tenha essas propriedades ágeis, ele ainda não perturbou o comércio internacional e a transferência de valor, especialmente dadas as atuais limitações da moeda. Se mais pessoas usam o bitcoin de uma só vez, a rede fica congestionada e os pagamentos ficam mais lentos.

Nos bastidores, os desenvolvedores ao redor do mundo estão trabalhando na Rede Relâmpago para corrigir estes problemas de modo que mais pessoas, talvez um dia até milhões, possam usar bitcoin regularmente sem ver um pico nas taxas e transações lentas.

Leia mais: O que é a Rede de Raios Bitcoin?

Tudo isso dito, alguns nigerianos estão se tornando dependentes do uso do bitcoin como uma forma de comércio internacional, e estão encontrando que o bitcoin tem benefícios significativos sobre os sistemas financeiros herdados.

Aflições cambiais

O empresário nigeriano de bitcoin Chimezie Chuta tem outra teoria para explicar por que alguns estão usando bitcoin para o comércio com a China e além.

Como a maioria dos outros países em um mundo cada vez mais globalizado, a Nigéria importa uma porcentagem significativa das mercadorias que utiliza. Como disse Chimezie Chuta: „A Nigéria é um país muito pesado em termos de importação. Indústria alimentícia, drogas, etc., equipamentos de construção, automóveis“. Muitas dessas mercadorias são compradas de fabricantes chineses. „A economia da Nigéria é fortemente dependente de importações e a China é um importante parceiro de importação para a Nigéria“, acrescenta Chuta.

Os nigerianos têm que lutar com este processo, no entanto. „O acesso a [divisas estrangeiras (FX)] para importação pelos empresários nigerianos é altamente limitado porque o [Banco Central da Nigéria (CBN)] tem liquidez limitada para atender a todos“, disse Chuta à CoinDesk.

Leia mais: Charlie Shrem TLDL: Ray Youssef e Crypto’s Role in Africa

Se os nigerianos querem colher os benefícios do comércio, eles precisam caçar uma maneira de trocar sua naira (a moeda nacional da Nigéria) por outras moedas. Na Nigéria, encontrar dólares norte-americanos ou restos chineses não é uma tarefa fácil. „Os importadores geralmente dependem do mercado negro para o câmbio adicional necessário e isso vem a um preço muito alto“, disse Chuta. Este fenômeno tem sido coberto na Bloomberg, por exemplo.

Esta é uma das outras razões pelas quais Ezike se voltou para o bitcoin como uma alternativa. „A agitação por [o] dólar e tudo isso é uma coisa que eu adoro evitar“, disse Ezike à CoinDesk.

Com o bitcoin, ele pode „eliminar todos os processos de roteamento bancário internacional“, disse ele.

Outros estão chegando à mesma conclusão.

„Os exportadores chineses expressaram vontade de aceitar pagamentos com bitcoin por suas mercadorias; portanto, muitos empresários na Nigéria acham mais conveniente fazer tais pagamentos com bitcoin por razões óbvias“, disse Chuta, acrescentando que o bitcoin é mais rápido, aberto e sem confiança.

Mais problemas de nairóbias

O empresário Monyei Chinazaekpele conseguiu comprar roupas, máscaras COVID-19 e testes da House of Trippy na China, para revender a clientes na Nigéria.

Ele decidiu usar bitcoin depois de experimentar uma frustração crescente com as limitações bancárias atuais, especialmente seu impacto no comércio global. „Fui esclarecido sobre as políticas monetárias no terreno. Fiquei chocado com a minha coragem“, disse ele à CoinDesk.

Chinazaekpele reiterou o argumento de Chuta e Ezike de que as divisas estrangeiras são difíceis na Nigéria. „Você não pode mudar facilmente para outras moedas“, disse ele, acrescentando que está esperançoso de que é apenas „uma questão de tempo“ até que esta situação melhore.

„Basicamente, o bitcoin é livre de estresse para usar e, honestamente, o naira não é uma boa reserva de valor“, disse Chinazaekpele, apontando para a taxa de inflação de 12% do naira, o que significa que o valor da moeda desvaloriza-se por tanto valor a cada ano.

O preço da bitcoin flutua, e às vezes o preço desce. Mas Chinazaekpele argumenta que a bitcoin geralmente não tem esse problema de inflação porque, a longo prazo, o preço tem subido.

Chinazaekpele também está procurando comprar um processador de caju com bitcoin, mas ainda está trabalhando nos detalhes com a fábrica, que também está localizada na China.

Mantendo-o em baixo – baixo

Todo esse comércio com bitcoin está acontecendo nos bastidores. Homens e mulheres de negócios no terreno não estão exatamente ansiosos para divulgar que estão usando o bitcoin para o comércio internacional. Para um deles, a legalidade da moeda criptográfica é difusa na região.

A CBN emitiu vários avisos aos bancos. O último em 2018 aconselhou aos bancos „a não usar, segurar ou fazer transações de qualquer forma com a tecnologia“.

„No espaço de bitcoin não sabemos que reação esperar, por isso tentamos ser um pouco discretos“, disse Ezike à CoinDesk. É por isso que ele não quer revelar o nome do negócio de importação do pai. Revelando apenas seu nome individual, ele tem menos medo de que o governo nigeriano „ataque“ o negócio.

Leia mais: Onde o cumprimento da Crypto Compliance do GAFI se torna interessante: África

„Tivemos contas congeladas em algum momento devido a transações de bitcoin“, disse Ezike. „Tivemos que apelar para reabri-las“.

Ele acrescentou que é a mesma situação na China, e é por isso que as pessoas com quem ele transaciona lá „asseguram que elas [mantenham] um perfil baixo“.

Quanto à relação entre o governo na Nigéria e o criptograma, Ezike disse que „eles estão realmente confusos sobre o que fazer com ele. Mas espero que eles o abracem“.